Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado de capitais

Notícia da edição impressa de 27/11/2017. Alterada em 26/11 às 21h26min

Cotado a US$ 9,4 mil, bitcoin tem novo recorde

Mais um recorde foi quebrado pelo bitcoin ontem, após a moeda virtual ultrapassar a marca de US$ 9 mil, chegando à cotação máxima de US$ 9.396,30, de acordo com a CoinDesk, uma das maiores consultorias do setor de criptomoedas. No acumulado de 12 meses, o bitcoin aponta valorização de quase 1.200%, com alta de 16,85% somente nos últimos sete dias.
O valor de mercado total do bitcoin chegou a US$ 151 bilhões, segundo a CoinDesk. Com isso, a criptomoeda supera o valor de companhias tradicionais como McDonald's, Disney e General Electric.
"O preço do bitcoin vem superando, até o momento, o ceticismo dos investidores. Os detentores de bitcoin estão relutantes em vender porque esperam que o preço continue aumentando, e a mesma mentalidade é adotada pelos potenciais compradores", comentou o economista da BMO Capital Markets, Sal Guatieri, em nota a clientes.
No mercado financeiro, na sexta-feira, o dólar à vista fechou em alta de 0,24%, a R$ 3,2302. O volume foi de US$ 1,677 bilhão. Na semana, o dólar à vista acumulou queda de 1,02%. O Índice Bovespa encerrou a sexta-feira aos 74.157 pontos, em baixa de 0,44%.
 .
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia