Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Alterada em 20/11 às 19h06min

Alta de empregos no comércio em outubro já é reflexo do Natal, diz Magalhães

O coordenador-geral de Estatísticas do Trabalho, Mário Magalhães, afirmou nesta segunda-feira, 20, durante coletiva de imprensa para apresentação dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que o aumento do número de vagas de emprego no setor de comércio em outubro, de 37.321 postos, é reflexo das contratações de Natal.
Segundo ele, o mês em que mais há contratações em função do Natal é, tradicionalmente, setembro. Na sequência, estão outubro e novembro. "O resultado de outubro confirma a sazonalidade positiva de contratação em fim de ano", afirmou. "O resultado de outubro confirma que a economia entra definitivamente nos eixos", acrescentou.
Segundo ele, os setores de comércio, serviços e indústria estão produzindo para atender demandas de fim de ano. "Dos 12 subsetores da indústria, 11 apresentaram crescimento em outubro", pontuou. "O resultado do Caged em novembro será positivo, mas não como em outubro", acrescentou, lembrando que é natural que as contratações de fim de ano arrefeçam no penúltimo mês do ano. "Quem mantém o resultado positivo em novembro é o comércio."
Magalhães também justificou o fato de, em outubro ante setembro, o recuo de 1,13% do salário médio de admissão no Brasil, de R$ 1 479,89 para R$ 1.463,12. Foi o segundo mês consecutivo de baixa. "Há sazonalidade", disse Magalhães. "A partir de agosto, você tem uma queda dos salários, que vai até dezembro."
Segundo ele, isso é explicado, em parte, pela natureza das ocupações em que ocorrem as contratações. No fim do ano, o comércio é uma das principais fontes de contratação, sendo que os salários são mais baixos. "Sazonalmente, existe queda do salário médio de admissão no fim do ano. Tirando a sazonalidade, você mantém a tendência de aumento do salário de contratação", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia