Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Comércio exterior

20/11/2017 - 15h52min. Alterada em 20/11 às 16h33min

Superávit da balança na 3ª semana de novembro foi de US$ 700 milhões

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 700 milhões na terceira semana de novembro (13 a 19). Na semana de quatro dias úteis, as exportações somaram US$ 3,705 bilhões e as importações, US$ 3,004 bilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).
Com esse desempenho, no mês de novembro a balança comercial acumula superávit de US$ 2,517 bilhões. As exportações somam US$ 9,952 bilhões no mês e as importações totalizam US$ 7,435 bilhões. No ano, o saldo comercial está positivo em US$ 60,980 bilhões, resultado de vendas externas de US 193,418 bilhões menos importações de US$ 132,439 bilhões.
A média das exportações brasileiras na terceira semana de novembro (13 a 19) registrou alta de 3,8% na comparação com a média registrada até a segunda semana do mês. Esse incremento foi resultado do aumento das exportações de produtos semimanufaturados (5,9%), com destaque para açúcar em bruto, ferro-ligas, alumínio em bruto, ouro em formas semimanufaturadas, catodos de cobre; e de produtos básicos (6%), em razão de petróleo em bruto, farelo de soja, minério de ferro, café em grãos, carnes de frango e bovina. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 20, pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Já as vendas externas de produtos manufaturados registraram ligeira queda, de 0,9% na terceira semana de novembro, em razão, principalmente, de aviões, automóveis de passageiros, suco de laranja não congelado, veículos de carga, etanol e polímeros plásticos.

Com relação às importações, a média diária registrou crescimento de 18,7% no mesmo período de comparação. Esse aumento foi explicado, principalmente, pelo aumento nos gastos com adubos e fertilizantes, farmacêuticos, equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, combustíveis e lubrificantes.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia