Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

17/11/2017 - 19h18min. Alterada em 17/11 às 19h26min

Chineses vão investir quase R$ 4 bilhões na rede de energia gaúcha

Acordo com empresa e fundo chineses foi oficializado nesta sexta-feira, no Palácio do Planalto

Acordo com empresa e fundo chineses foi oficializado nesta sexta-feira, no Palácio do Planalto


Karine Viana/Palácio Piratini/Divulgação/JC
O setor energético gaúcho recebeu um importante impulso nesta sexta-feira (17). Foi assinado, em cerimônia no Palácio do Planalto, em Porto Alegre, um acordo entre Eletrobras, Eletrosul, a empresa chinesa Shanghai Electric e o Clai Fund, Fundo Chinês para Investimento na América Latina, que assegura investimentos de R$ 3,9 bilhões para melhorar e expandir o fornecimento de energia elétrica no Estado.
O governo do Rio Grande do Sul também assinou o documento, como testemunha. Conforme o Executivo estadual, o recurso será usado para construir 1,9 mil quilômetros de linhas de transmissão e oito novas subestações, além de ampliar 13 subestações que já existem. As obras devem começar em março de 2018 de estar concluídas em até 48 meses; durante a execução, a expectativa é gerar onze mil empregos diretos.
O presidente da Eletrosul, Gilberto Odilon Eggers, afirmou que as contrapartidas ainda estão sendo definidas, mas garante que não devem envolvem dinheiro dos cofres gaúchos. "Estamos discutindo a estrutura de capital e o aporte de cada empresa. O restante virá de financiamentos que serão buscados na China e provavelmente no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes)", afirmou.
O novo sistema de transmissão deve melhorar o fornecimento de energia para a região metropolitana e criar um novo ponto de atendimento na região Norte. "O benefício prático para o cidadão é que, quando tudo isso for concluído, muito provavelmente ele não terá mais problemas de fornecimento de energia nas épocas de pico, como o verão", explicou o secretário de Minas e Energia, Artur Lemos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia