Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 16/11 às 18h46min

Petróleo cai com produção do Equador e fundo soberano da Noruega no radar

Os contratos futuros de petróleo voltaram a fechar em baixa nesta quinta-feira (16), após notícias envolvendo a participação do Equador no acordo de corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e o fundo soberano da Noruega e sua participação em ativos relacionados à commodity.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para janeiro caiu 0,30%, a US$ 55,35 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo Brent para o mesmo mês recuou 0,82%, a US$ 61,36.
No início do dia, os preços do petróleo ensaiavam recuperação das fortes perdas recentes, quando um movimento de realização de lucros atingiu os contratos. No entanto, notícias relacionadas à Noruega e ao Equador não deixaram que a commodity voltasse a subir nesta quinta-feira.
O fundo soberano da Noruega, avaliado em US$ 1 trilhão, propôs retirar de seu índice de referência as companhias de óleo e gás, avaliadas em US$ 35 bilhões. De acordo com o banco central norueguês, o objetivo da medida é diminuir a exposição do fundo e do governo do país às oscilações dos preços do petróleo. Apesar de a medida assustar os investidores, o analista Jason Gammel, do Jefferies, aponta que "um processo de desinvestimento ordenado durante um período de tempo não deve afetar significativamente os preços das ações".
Além disso, o Equador, que é integrante da Opep, afetou os preços do petróleo. De acordo com o acordo da Opep, repactuado em maio, o país se comprometeu em cortar a produção para o nível de 522 mil barris por dia. No entanto, de acordo com o Ministério de Hidrocarbonetos equatoriano, a estimativa da produção de novembro está em 561 mil barris por dia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia