Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 16/11 às 18h43min

Dólar devolve ganhos da terça-feira e recua com cenário externo favorável

O dólar manteve-se em queda ante o real em praticamente toda a sessão desta quinta-feira, 16, movimento que foi ampliado nesta tarde, em meio ao cenário externo mais favorável a ativos de risco. De acordo com profissionais do mercado, a moeda americana devolveu os excessos da terça-feira, causados pela postura defensiva dos investidores na véspera do feriado local da Proclamação da República, na quarta.
A moeda americana à vista fechou em queda de 0,93%, a R$ 3,2790. O giro financeiro foi de US$ 1,257 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,2692 (-1,23%) e, na máxima, a R$ 3,3100 (+0,01%).
"O que vimos hoje (quinta-feira) foi uma desmontagem das posições da terça-feira, em que o mercado buscou proteção por causa do feriado aqui no Brasil", afirmou Ricardo Gomes da Silva, diretor da corretora Correparti. Um dos fatores que haviam feito a moeda americana subir perante o real foi a expectativa de divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano, que saiu nesta quarta-feira, quando o mercado doméstico estava fechado.
O CPI teve alta de 0,1% em outubro na comparação com o mês anterior, informou na quarta-feira o Departamento do Trabalho dos EUA. O resultado veio em linha com a expectativa dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Se o dado viesse mais forte que o esperado, como ocorreu com o índice de preços ao produtor (PPI) americano na terça-feira, poderia ampliar as apostas de uma alta mais agressiva dos juros americanos no ano que vem. Como o CPI veio em linha, possibilitou o recuo do dólar ante o real e outras moedas emergentes.
A reforma tributária nos Estados Unidos segue concentrando as atenções. A Câmara dos Representantes aprovou nesta quinta a proposta dos republicanos por 227 votos a 205. O Senado também está discutindo uma outra versão do projeto, e os parlamentares republicanos esperam concluir a aprovação da reforma até o Natal "A reforma que deve ser aprovada não deve ser da forma que Trump deseja, então o reflexo nos mercados emergentes vai depender da abrangência da proposta final", acrescentou Gomes da Silva.
Para Mário Battistel, gerente de câmbio da Fair Corretora, o dólar deve continuar nos níveis atuais até a conclusão da votação da reforma tributária nos Estados Unidos. "Aqui no Brasil, o mercado aguarda o anúncio dos eventuais novos ministros e novidades sobre a reforma da Previdência", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia