Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Dólar

Alterada em 16/11 às 18h43min

Dólar cai a R$ 3,27 e Bolsa avança 1,2% com melhora do humor externo

Agência O Globo
O dólar comercial cai nesta quinta-feira pela primeira vez em quatro sessões, e a Bolsa sobe compensando parte da queda de mais de 2% no último pregão, em dia de retomada do apetite para risco nos mercados globais. O dólar cai 1,2%, cotado a R$ 3,271 para venda, e o índice de referência da B3 (antiga Bovespa) avança 1,26%, aos 71.719 pontos.
Os ativos brasileiros acompanham o movimento dos seus pares estrangeiros, que tiveram pregão negativo na quarta-feira - dia sem negócios no Brasil por causa do feriado. As ações europeias avançam pela primeira vez em oito sessões, com o índice de referência Euro Stoxx 50 subindo 0,58%, a Bolsa de Londres ganhando 0,12%, a de Paris, 0,65%, e a de Frankfurt, 0,45%.
"Os ativos de risco estão respondendo em um movimento clássico de tomada de risco, após uma rodada de pressão pontual, durante o feriado aqui no Brasil. Os índices futuros nos EUA e as bolsas na Europa reagem de forma positiva.
O dólar tem leve movimento de valorização, em linha com a alta das taxas de retorno dos títulos públicos americanos", escreveu Luis Gustavo Pereira, estrategista da corretora Guide Investimentos.
Na Petrobras, o papel ON (com voto) sobe 0,31%, enquanto o PN, sem voto, avança 1,36%. Entre os bancos, a valorização é de 2,05% no Banco do Brasil, de 1,14% no Bradesco e de 1,07% no Itaú Unibanco. Na Vale, o papel opera estável.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia