Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

15/11/2017 - 15h49min. Alterada em 15/11 às 15h50min

Bolsas da Europa fecham na maioria em baixa, com setor de energia sob pressão

As bolsas europeias fecharam na maioria em queda nesta quarta-feira, em um dia marcado pela fraqueza de ações do setor de commodities. Houve, porém, uma redução de perdas mais para o fim do pregão e a Bolsa de Madri conseguiu encerrar a jornada em território positivo.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,40%, em 382,32 pontos.
A queda no petróleo, de olho nos estoques dos Estados Unidos, e uma jornada negativa também para os metais básicos, após a desaceleração nesta semana em alguns dados importantes da China, entre eles a produção industrial, impuseram um movimento negativo nos mercados europeus, como havia ocorrido na Ásia mais cedo.
Em Madri, porém, a melhora do setor de finanças amparou uma reação, mais para o fim do dia. O premiê da Espanha, Mariano Rajoy, mostrou-se confiante em poder contornar a crise na Catalunha e evitar qualquer interferência na eleição regional marcada para dezembro.
Na agenda de indicadores, o superávit comercial da zona do euro subiu a 25 bilhões de euros em setembro, acima do saldo positivo de 21,6 bilhões de euros registrado em agosto, segundo dados oficiais. As exportações do bloco avançaram 1,1% em setembro ante agosto, enquanto as importações recuaram 1,2%.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-200 fechou em queda de 0,56%, em 7.372,61 pontos. Entre as mineradoras, Glencore recuou 1,37% e a Anglo American cedeu 1,20%. A petroleira BP caiu 1,59%. Entre os bancos, Barclays subiu 0,94%, mas Lloyds teve baixa de 0,60%.
Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,44%, a 12.976,37 pontos. A ação da Volkswagen recuou 0,61%, após relatos de que autoridades fiscais fizeram uma operação na empresa.
O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, teve baixa de 0,27%, a 5.301,25 pontos.
Na Bolsa de Milão, o índice FTSE-100 teve baixa de 0,62%, a 22.158,88 pontos. Entre os bancos, BPM, UniCredit subiram 2,40% e 0,78%, respectivamente, com Intesa Sanpaolo estável. A petroleira Eni, por outro lado, teve queda de 1,84%.
Em Madri, o IBEX-35 foi na contramão dos demais e subiu 0,24%, a 10.013,18 pontos. Entre os bancos da Espanha, Santander avançou 1,25%, BBVA ganhou 1,30% e Banco de Sabadell, 0,61%. Iberdrola subiu 0,63%, mas Repsol recuou 3,10%.
Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 recuou 0,16%, a 5.260,18 pontos. Banco Comercial Português subiu 0,52% e EDP-Energias de Portugal ganhou 1,11%, mas Galp Energia caiu 1,52% e Jerónimo Martins teve baixa de 1,01%.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia