Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 15/11 às 10h26min

Petróleo opera em baixa, após relatório do API sobre estoques nos EUA

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa nesta quarta-feira, após um relatório de estoques do American Petroleum Institute (API) mostrar crescimento nos estoques dos Estados Unidos. Além disso, sinais mais fracos sobre a demanda global interferem.
Às 8h55 (de Brasília), o petróleo WTI para dezembro caía 1,15%, a US$ 55,06 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para janeiro recuava 1,24%, a US$ 61,44 o barril, na ICE.
Depois do fechamento da terça-feira, o API estimou que os estoques de petróleo dos EUA tenham avançado 6,5 milhões de barris na última semana. Também apontou que os estoques de gasolina tenham crescido 2,4 milhões de barris na semana e os de destilados tenham recuado 2,5 milhões de barris.
Às 13h30, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) divulga o relatório oficial de estoques nos EUA.
"Se os dados do DoE confirmarem os números do API será difícil haver uma retomada forte", afirmou Olivier Jakob, diretor da consultoria suíça Petromatrix. Sem recuos "significativos" nos estoques, é improvável que o barril do Brent e do WTI fiquem acima de US$ 60 e US$ 55, respectivamente, acrescentou Jakob.
Os preços do petróleo avançaram cerca de 20% desde o início de setembro e vinham oscilando próximos das máximas em vários anos, impulsionados pelos distúrbios geopolíticos no Oriente Médio e por esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para conter a produção.
Na terça-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) ainda cortou sua projeção para a demanda global neste ano em 100 mil barris por dia. A entidade espera agora que a demanda cresça 1,5 milhão de barris por dia neste ano e 1,3 milhão de barris no seguinte. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia