Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 10/11 às 15h56min

Reforma tributária nos EUA pesa e bolsas da Europa recuam

Os mercados acionários europeus fecharam em baixa nesta sexta-feira, 10, como reflexo do mau humor generalizado em Nova York devido ao racha entre deputados e senadores republicanos em torno da reforma no sistema tributário dos Estados Unidos.
O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em queda de 0,37% (-1,44 ponto), aos 388,63 pontos. Na semana, o recuo foi de 1,86%.
Na quinta-feira, senadores do Partido Republicano divulgaram o seu projeto de lei de reforma tributária, que contém pontos divergentes em relação à proposta da Câmara. Um dos principais pontos é o adiamento da implantação do corte no imposto corporativo para 2019. A alíquota, que cairia dos atuais 35% para 20%, é o ponto comum entre as duas medidas no quesito imposto das empresas.
Com os próprios congressistas discordando sobre aspectos fundamentais do projeto de lei, investidores acreditam que o prazo para que a proposta seja aprovada não seguirá o cronograma do presidente dos EUA, Donald Trump, que tinha como limite o Dia de Ação de Graças (23 de novembro). Diante da perspectiva de que os EUA demorem mais para reduzir impostos, ficaram em segundo plano notícias positivas da economia britânica e da temporada de balanços.
No Reino Unido, a produção industrial cresceu 0,7% em setembro ante agosto, superando projeções de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, o que elevou a libra em relação ao dólar e ao euro. Com isso, ações de exportadoras perderam força na bolsa de Londres, onde o índice FTSE-100 fechou em baixa de 0,68%, aos 7.432,99 pontos, com perda semanal de 1,68%. Persistem, no entanto, dúvidas sobre as negociações do governo britânico para a retirada do país da União Europeia (o chamado Brexit). Nesta sexta-feira, o principal negociador do bloco para o processo, Michel Barnier, afirmou que nenhuma decisão relevante foi tomada durante a última rodada de negociações sobre o assunto, que teve fim nesta sexta-feira.
Em Frankfurt, o índice DAX fechou em queda de 0,42%, aos 13.127,47 pontos, com baixa semanal de 2,61%. Entre as montadoras, a BMW perdeu 0,92% e a Daimler caiu 0,52%. Já na bolsa de Paris, o índice CAC-40 baixou 0,50%, aos 5.380,72 pontos, enfrentando queda de 2,49% na semana.
Na bolsa de Milão, o índice FTSE-Mib caiu 0,36%, aos 22.560,79 pontos, com perda semanal de 1,97%. A Telecom Italia, controladora da TIM Brasil, divulgou queda anual de 8,4% no lucro do terceiro trimestre, mas ligeiro avanço na receita. Apesar disso, a companhia de telecomunicações cedeu 1,66%.
O índice Ibex-35, da bolsa de Madri, fechou em baixa de 0,48%, aos 10.092,70 pontos, com perda semanal de 2,56%. Já em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 0,38%, aos 5.301,70 pontos, recuando 1,25% na semana.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia