Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 10/11 às 11h22min

Bovespa abre sem força, com reforma da Previdência e mau humor externo no radar

A Bovespa iniciou os negócios perto da estabilidade nesta sexta-feira (10) em meio a incertezas sobre o andamento das mudanças nas regras da Previdência e diante de preocupações nos mercados internacionais em relação à reforma tributária norte-americana.
Às 10h38min, o Ibovespa recuava 0,18%, aos 72.798,39 pontos, em linha com as perdas dos índices futuros em Wall Street. Enquanto as ações da Petrobras e da Vale exibem alta moderada, os papéis do setor financeiro fazem o contraponto e limitam o principal índice da Bolsa.
Sobre a reforma da Previdência, o relator da proposta, Arthur Maia (PPS-BA), deve apresentar nesta sexta o novo texto. Mesmo sem qualquer segurança de que conseguirá os 308 votos necessários para a aprovação, o governo lançou à Câmara a responsabilidade de votar a reforma ainda neste ano, mas o presidente da Casa, Rodrigo Maia, não chegou a marcar sessões para a próxima semana, em razão do feriado da Proclamação da República, na quarta-feira.
Também há preocupações do mercado sobre se a base aliada do governo sofrerá mudanças após o senador Aécio Neves (MG) ter decidido destituir na quinta o senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB, expondo uma crise interna sem precedentes entre os tucanos.
No pano de fundo, está o embate entre a ala governista do partido e o grupo que prega o rompimento com o governo Michel Temer.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia