Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 07/11 às 21h04min

Lucro líquido normalizado da Comgás cresce no 3º trimestre para R$ 214,7 mi

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás), distribuidora de gás natural com atuação em parte do Estado de São Paulo, incluindo a região metropolitana, registrou um lucro líquido normalizado pela conta corrente regulatória de R$ 214,7 milhões no terceiro trimestre deste ano, montante 19,4% maior do que o reportado no mesmo intervalo de 2016. O indicador normalizado, na visão da administração, é o que melhor reflete o desempenho da companhia. Pelo critério IFRS, o lucro líquido foi de R$ 207,9 milhões, representando uma queda da ordem de 3,7% sobre igual período do ano passado.
O Ebitda normalizado pela conta corrente regulatória somou R$ 476,9 milhões no terceiro trimestre, alta de 6,4% na comparação anual. A companhia salientou que o desempenho reflete o maior volume de vendas e a correção das margens da companhia pela inflação no último mês de maio.
O Ebitda IFRS somou R$ 463,254 milhões no terceiro trimestre, o que corresponde a uma queda de 6,4%.
A receita líquida totalizou R$ 1,5 bilhão entre julho e setembro, montante 11,3% maior na comparação com o mesmo período de 2016. A companhia explica que o resultado reflete o crescimento do volume de gás distribuído no trimestre e o ajuste das tarifas em maio de 2017, conforme definido pela agência reguladora, a Arsesp.
De julho a setembro, o volume de vendas da Comgás foi de 1,11 bilhão de metros cúbicos, o que corresponde a uma expansão de 4,6% em relação ao registrado na mesma etapa de 2016.
Dentre as classes de consumo, destaque para o crescimento de 4,5% registrado pelas indústrias, na comparação com o terceiro trimestre de 2016. De acordo com a companhia, o aumento é decorrente do maior consumo "de alguns clientes", além da retomada gradual da atividade econômica. A empresa salientou o desempenho dos setores químico/petroquímico, automotivo e siderúrgico.
Os segmentos residencial e comercial também registraram uma elevação do consumo, de 4,5% e 4,7%, respectivamente, impulsionados principalmente pela adição de novos consumidores. A empresa anotou um aumento de 101 mil clientes nos últimos 12 meses apenas no segmento residencial. Somente entre julho e setembro, foram realizadas 27 mil novas conexões, para um total de 1,768 milhão de clientes, o que corresponde a um crescimento é de 6,1% frente ao observado em setembro de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia