Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 07/11 às 21h00min

Iguatemi tem lucro líquido de R$ 53,0 milhões no 3º trimestre, alta de 30,6%

A Iguatemi, dona de participações em 16 shopping centers e um outlet no País, encerrou o terceiro trimestre de 2017 com lucro líquido de R$ 53,061 milhões, alta de 30,6% em comparação com o mesmo período de 2016.
O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 133,84 milhões, expansão de 4,6% na mesma base de comparação. Nesse período, a margem Ebitda caiu 0,5 ponto porcentual, para 78,9%.
O FFO (lucro líquido excluindo depreciação, amortização e efeitos não caixa) cresceu 18,4%, para R$ 79,804 milhões. A margem FFO aumentou 5,2 pontos porcentuais, para 47,0%.
A receita operacional líquida totalizou R$ 169,690 milhões, uma alta de 5,3%.
O aumento do lucro da Iguatemi no trimestre se deve, principalmente, à redução dos juros básicos e do CDI, dando alívio para as despesas com o pagamento da dívida. O resultado financeiro líquido no terceiro trimestre foi uma despesa de R$ 43 milhões, 20% menor do que um ano antes.
A dívida líquida ficou em R$ 1,7 bilhão, com uma alavancagem (dívida/Ebitda) de 3,14 vezes, números estáveis ante o segundo trimestre.
Além disso, a Iguatemi teve melhora no desempenho operacional, ganhos de receita e estabilidade dos custos, propiciando melhora das margens.
No acumulado do ano, a margem Ebitda atingiu 77,0%, queda 1,1 ponto porcentual. A receita líquida alcançou R$ 506,452 milhões, alta de 4,6%, dentro da meta, que vai de alta de 2% a 7%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia