Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 07/11 às 20h05min

Bolsas de Nova Iorque não apresentam direção definida; Dow Jones tem novo recorde

As principais bolsas de valores dos Estados Unidos encerraram sem direção definida nesta terça-feira (7), com viés de queda, mas o índice Dow Jones conseguiu sair do terreno negativo no último minuto do pregão, renovando recorde de fechamento.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,04%, aos 23,557,23 pontos; o S&P 500 recuou 0,02%, para 2.590,64 pontos; e o Nasdaq perdeu 0,27%, encerrando aos 6.767,78 pontos.
Notícias corporativas foram os principais condutores dos movimentos desta terça-feira. As ações do Priceline Group e do TripAdvisor despencaram 13,82% e 23,56%, respectivamente, pressionando o S&P 500, após as companhias de reservas online para viagens frustrarem os investidores com seus resultados.
Já os papéis de bancos foram prejudicados pelo recuo dos juros dos títulos da dívida americana. Juros menores nos Treasuries geralmente pressionam os papéis de bancos, que lucram com a diferença entre o que eles pagam sobre os depósitos e o que eles cobram para emprestar dinheiro. O Goldman Sachs caiu 1,53% e o J P. Morgan recuou 2,04%.
Enquanto isso, a especulação sobre possíveis fusões e aquisições movimentaram as ações de fabricantes de chips e companhias da mídia. "Misture a especulação sobre as fusões e os balanços e você terá um bom coquetel para movimentar os mercados", disse Michael Scanlon, da Asset Management.
As ações da Broadcom caíram 2,24%, ao passo em que os investidores continuam a digerir a oferta de US$ 105 bilhões da empresa pela fabricante de chips Qualcomm, que ganhou mais de 2,53%.
A 21st Century Fox viu seus papéis avançarem 1,13%, após relatos de que a Walt Disney (+0,95%) estava negociando a compra de uma grande fatia da companhia de entretenimento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia