Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 07/11 às 19h45min

Cetesb multa Petrobras em R$ 1 milhão por acidente na Replan

Refinaria de Paulínia está parada desde dia 1º de novembro dia do acidente com gases

Refinaria de Paulínia está parada desde dia 1º de novembro dia do acidente com gases


Rovena Rosa/Agência Brasil/JC
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) multou a Petrobras em R$ 1 milhão nesta terça-feira (7), por conta do acidente ocorrido na semana passada na maior refinaria da estatal, Refinaria de Paulínia (Repan), que lançou gases poluentes na atmosfera. A companhia determinou ainda que a refinaria tome as providências necessárias para impedir novas emissões de poluentes na atmosfera durante a partida das unidades operacionais.
A Replan está parada desde dia 1º de novembro, dia do acidente, quando gases gerados nos processos de produção tiveram que ser direcionados para os "flares" (chaminés), que não puderam operar normalmente pela falta de ar comprimido e vapor, suprimento crucial para o bom funcionamento dos queimadores.
"Este fato gerou a emissão intensa de poluentes (material particulado e fumaça preta) na atmosfera, provenientes da chaminé da unidade de craqueamento catalítico", disse a Cetesb um dia depois do acidente. Segundo a Cetesb, as emissões permaneceram até às 23h30 do mesmo dia, quando houve a regularização do suprimento de vapor para esses equipamentos.
A Refinaria de Paulínia continuava operando de forma parcial e com cinco unidades paradas na tarde desta terça-feira, dia 7, de acordo com informação do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP). "O sindicato averiguou que uma das unidades de Craqueamento já está em vias de iniciar a partida e a Replan opera com carga menor que 60% da sua capacidade diária de produção", informou em nota.
A Replan tem capacidade para processar 415 mil barris diários de petróleo. Já a Petrobras informou que não há risco de desabastecimento do mercado por conta da parada da unidade, e que a mesma já voltou a funcionar parcialmente, mas que, como toda refinaria, a volta da produção é feita gradativamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia