Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

07/11/2017 - 12h59min. Alterada em 07/11 às 12h59min

Eletrônica puxa alta na produção de eletroeletrônicos até setembro, diz Abinee

O crescimento de 4,7% na produção industrial do setor eletroeletrônico no acumulado do ano até setembro continua sendo puxado pela área eletrônica. É o que informa a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
De janeiro a setembro, houve crescimento de 20,2% na produção da indústria eletrônica, enquanto a voltada para o segmento elétrico cedeu 6% no período em questão. "O resultado do setor eletroeletrônico como um todo foi mais favorável do que o registrado pela industrial geral (1,6%) e pela indústria de transformação (1%)", observa análise da Abinee.
Em setembro em relação ao mesmo mês de 2016, a categoria de elétrico e eletrônico também foi destaque, ao mostrar expansão de 5,9%. Houve crescimento de 16,9% da indústria eletrônica e recuo de 2,9% da elétrica. Ainda foi registrado avanço de 3,3% no setor como um todo, resultado de alta de 17,6% na parte Eletrônica e declínio de 6,6% na elétrica.
Contudo, na comparação mensal, em relação a agosto, a produção na área eletrônica cedeu 1,3% e a elétrica teve queda de 0,4%.
Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, os "excelentes números da área eletrônica demonstram que, felizmente, o mercado está ressurgindo." A expectativa da Abinee é que o segmento elétrico comece a apresentar resultados positivos a partir de 2018. "Isso deverá fazer com que tenhamos um desempenho mais uniforme no próximo ano", acrescenta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia