Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telecomunicações

05/11/2017 - 01h19min. Alterada em 05/11 às 01h19min

Grupo de credores da Oi quer barrar 'manobra' do conselho

Moelis, G5 e FTI Consulting conclamaram partes envolvidas na recuperação judicial da Oi

Moelis, G5 e FTI Consulting conclamaram partes envolvidas na recuperação judicial da Oi


OI/DIVULGAÇÃO/JC
O maior grupo de detentores de títulos internacionais da Oi - representado por Moelis, G5 e FTI Consulting - conclamou por meio de comunicado todas as partes envolvidas na recuperação judicial da tele brasileira a agirem para desfazer o que classificou de "manobra claramente ilegal" do conselho de administração, dando prosseguimento aos esforços para a aprovação de um plano que possa reunir o apoio de todos os interessados.
Na manhã deste sábado (4), a companhia informou que seu conselho aprovou uma nova versão do plano de apoio de recuperação judicial (Plan Support Agreement - "PSA"). Formado em sua maioria por nomes ligados ao empresário Nelson Tanure, segundo maior acionista da Oi, o órgão também rejeitou uma proposta alternativa de recuperação para a operadora enviada pela Moelis, o G5 e a FTI.
Na sexta-feira, o conselho dominado por Tanure aprovara a nomeação de Hélio Costa e João Vicente Ribeiro como diretores estatutários da companhia. Com isso, conseguiu o apoio da diretoria da empresa para aprovar o contrato de apoio ao plano de recuperação judicial. Até então a diretoria da Oi vinha se opondo aos termos do acordo.
O comunicado dos representantes dos bondholders detentores de R$ 32 bilhões da dívida da Oi diz ainda que as ações do conselho da empresa constituem uma inaceitável violação dos padrões de governança corporativa. "Essas ações foram claramente adotadas na tentativa de fazer a companhia refém e forçar a aceitação de um plano cujo único objetivo é defender os interesses dos atuais acionistas minoritários controladores em detrimento de todos os demais agentes envolvidos e da própria companhia", afirma o texto.
O empresário Nelson Tanure tem uma participação de 5,28% na Oi, por meio do fundo Societé Mondiale, mas tem uma enorme influência sobre os rumos da companhia por ser apoiado também pela Pharol (antiga Portugal Telecom), segundo fontes. A portuguesa é a maior acionista da operadora, com 22,24% de seu capital total.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
francisco marcos andrade de oliveira 20/12/2017 11h59min
eu tenho um uma razal para cre que em breve as pessoas vai querer telefonis residercial pois vai ficar mais em contas sou o dono da comunicacoes com o gorveno
dono da operadora francisco marcos andrade de oliveira 07/11/2017 19h11min
eu dono da operadora oi nuca fis emprestimo para nada na operadora oi