Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Agronegócios

Alterada em 03/11 às 12h59min

Abrafrigo contesta rejeição da China a frigoríficos brasileiros

A Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) contestou a rejeição da China a exportação de frigoríficos brasileiros de carne bovina e disse que "não há irregularidades nestas empresas, já que foram feitas correções pela maioria delas nos pedidos apresentados ao governo chinês ainda em 2016".
Na quarta-feira (1), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, confirmou que o governo chinês rejeitou o pedido de autorização num total de 26 plantas frigoríficas brasileiras, incluindo unidades de aves, para exportar carnes àquele país. O veto ocorreu juntamente com o anúncio de que outras 22 unidades serão autorizadas a vender seus produtos ao país asiático.
"O que ocorreu com os frigoríficos de bovinos rejeitados foi que muitos deles apresentaram documentação também para a exportação de miúdos e carne com osso, produtos que não constam do protocolo bilateral assinando entre o Brasil e a China", disse, em nota, o presidente executivo da Abrafrigo, Péricles Salazar. Segundo ele, este fato foi constatado no ano passado e a documentação foi corrigida pela maioria das empresas. "Imaginamos que os chineses fizeram sua avaliação com base apenas na primeira listagem, sem as correções", disse.
A entidade afirma que vai encaminhar ao ministério um pedido para que examine esta situação já que "não há motivos para o veto, se a análise for realizada com base na segunda listagem enviada pelo Brasil ao governo chinês".
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia