Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 02/11 às 18h25min

Petróleo fecha em alta, apoiado por expectativa com Opep e dólar mais fraco

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quinta-feira (2), apoiado na visão da Arábia Saudita sobre o mercado de petróleo e em um dólar um pouco mais fraco em relação a outras moedas principais.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para dezembro fechou em alta de 0,44%, a US$ 54,54 por barril, no maior nível desde julho de 2015, de acordo com a FactSet. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo tipo Brent avançou 0,21%, a US$ 60,62.
O ministro de Petróleo da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, afirmou nesta quinta-feira que, apesar das reduções consideráveis nos estoques de óleo cru, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) ainda não alcançou o seu objetivo de reduzir o volume mundial estocado da commodity com o acordo de corte na produção. "Espero que a melhora na tendência do mercado continue e que meus colegas se juntem, daqui a quatro semanas em Viena, para renovar a nossa determinação de devolver os estoques globais aos níveis normais", disse o ministro saudita.
No fim da semana passada, os preços do petróleo já vinham em forte alta, sustentados pelo apoio da Arábia Saudita e da Rússia a uma extensão até o fim de 2018 à redução na oferta. Na avaliação do analista sênior da Tyche Capital Advisors, Tariq Zahir, a Opep provavelmente "está encorajada para que os preços se estabilizem acima de US$ 50 de forma significativa. Mas a desvantagem disso é que o óleo de xisto pode minar os esforços da Opep, que terá obrigada a estender os cortes".
Além disso, o dólar mais fraco apoiou os preços da commodity, que são cotados na moeda americana e ficam mais baratos para investidores que operam em outras divisas quando o dólar recua frente a outras moedas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia