Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 27/11/2017. Alterada em 26/11 às 21h16min

Frases e personagens

Sebastião Melo (PMDB), ex-vice-prefeito da Capital

Sebastião Melo (PMDB), ex-vice-prefeito da Capital


MARCELO G. RIBEIRO/JC
"Na Cidade Baixa, fechar bares e restaurantes antecipadamente não resolverá o problema. Tem que haver um pacto de harmonia dos frequentadores, do policiamento e dos moradores. Hoje, tem gente que faz as necessidades na entrada de edifícios, o que, evidentemente, não praticam em suas moradias." Sebastião Melo (PMDB), ex-vice-prefeito da Capital.
"Qual é o problema ter uma Parceria Público-Privada para o Dmae agilizar a questão do saneamento básico em Porto Alegre?" Luciano Marcantônio (PTB), vereador de Porto Alegre.
"Nos últimos anos, grandes empresas passaram a controlar uma fatia importante do transporte rodoviário brasileiro, mas cerca de 46% a 50% do setor hoje é o sustento de caminhoneiros autônomos." Jones Martins (PMDB), deputado federal.
"Quem tem um ou dois caminhões tira dali o sustento de sua família. Para além das questões de infraestrutura de estrada ruim, de pedágio alto, de combustível, de frete barato , esses autônomos arriscam suas vidas nas estradas e também têm falta de segurança e precisam de incentivo para renovarem em suas frotas. A frota de caminhões do Brasil é antiga, exige manutenção, polui e não é ambientalmente recomendável." Também Jones Martins.
"Se a PEC da Previdência for aprovada na Câmara ainda neste ano, o Ibovespa pode subir a 80 mil pontos. Caso a aprovação aconteça mesmo, será um verdadeiro rali de fim de ano, porque essa possibilidade sequer está precificada agora." Celson Plácido, estrategista-chefe da XP Investimentos.
"O mercado é como 'gato escaldado'. Em maio, estava tudo andando bem, rumo à aprovação. Veio a delação e a divulgação de áudios do empresário Joesley Batista comprometendo o presidente Michel Temer (PMDB), e aconteceu o que aconteceu. Então, se a aprovação vier, é lucro." Também Celson Plácido.
"O desemprego, que caiu mais que o esperado em 2017, vai andar um pouco de lado em 2018, recuará somente no segundo semestre." Felipe Salles, economista do Itaú Unibanco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia