Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 03/11/2017. Alterada em 02/11 às 20h40min

Frases e personagens

Jeferson Fernandes

Jeferson Fernandes


FREDY VIEIRA/JC
"O Estado tem que insistir no acerto com a Lei Kandir, mesmo que não consiga os citados R$ 53 bilhões de ressarcimentos. Mas que sejam R$ 10 bilhões. Tem gente passando problemas sérios com o atraso nos vencimentos pelo Estado." Jeferson Fernandes (PT), deputado estadual.
"A crise que se instalou no País começou em 2015, com as políticas equivocadas do governo Dilma Rousseff (PT). Juros baixos artificialmente, isenções exageradas, gastos acima da receita, e que redundaram em 14 milhões de desempregados. O Rio Grande sofreu as consequências." Gabriel Souza (PMDB), deputado estadual.
"O Ministério da Educação liberou R$ 1,47 bilhão para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A verba contempla cerca de 1,2 milhão de alunos." Waslei José da Silva, coordenador-geral de finanças da Subsecretaria de Planejamento e Orçamento do MEC.
"Com essa liberação, mantemos a regularidade dos pagamentos dessa ação que atende, anualmente, centenas de milhares de estudantes brasileiros por meio da oferta de financiamento de cursos em instituições privadas." Também Waslei José da Silva.
"Uma das alterações no Fies exige que o pagamento do financiamento ocorra no primeiro mês após a conclusão do curso. Antes, o estudante tinha até 18 meses para começar a pagar. Dependendo da modalidade, os financiamentos concedidos serão sem juros e com correção anual, de acordo com a variação do índice oficial de preços ou taxa estipulada no início do contrato. Hoje, a taxa de juros anual do programa é de 6,5%." Bruno Eizerik, presidente do Sindicato do Ensino Privado do RS.
"O novo modelo é inviável para as instituições de ensino. A reformulação do programa só interessa ao governo e aos bancos privados, que passam a também gerenciar o financiamento. Sabemos que 64% das instituições gaúchas já estão buscando outras formas de financiamento neste ano, e 29% pretendem fazer isso em 2018." Também Bruno Eizerik.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia