Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 31/10/2017. Alterada em 31/10 às 09h10min

Rejeitado projeto que mudava escolha de nome de ruas

Projeto previa que nomeações pudessem ser feitas em abaixo-assinado com participação de moradores

Projeto previa que nomeações pudessem ser feitas em abaixo-assinado com participação de moradores


LUCIANO FARIAS/PMPA/JC
Carlos Villela, especial para o JC
O projeto do vereador Marcelo Sgarbossa (PT) que criava um "banco de ruas" para a Capital foi rejeitado na sessão desta segunda-feira. A proposta do parlamentar atribuía ao Executivo e aos moradores residentes nas ruas o processo de nomeação, tirando do Legislativo a responsabilidade. Assim, o projeto estabelecia que a nomeação de uma rua poderia ser feita através de um abaixo-assinado com a participação de dois terços dos moradores limítrofes.
Vários discursos na tribuna foram direcionados a João Carlos Nedel (PP), parlamentar conhecido por dar nomes de ruas na Capital, elogiando o trabalho do vereador e criticando o projeto, afirmando que era um cerceamento do trabalho dos legisladores.
Colega de partido de Nedel, a vereadora Mônica Leal disse, na tribuna, que já foi questionada por sua família do motivo de não haver um projeto para nomear uma rua da Capital em homenagem a seu pai, o ex-vereador Pedro Américo Leal. Ela disse que não se sentia à vontade ao imaginar cenários como a notícia de um assassinato ou outro crime "na rua Pedro Américo Leal", mas que acabou por entender que ele era uma figura que merecia ter uma rua com seu nome.
Os vereadores do PMDB André Carús e Valter Nagelstein aproveitaram a discussão para rebater a noção de que dar nomes de ruas e fazer homenagens são as principais atividades realizadas pelos parlamentares.
De acordo com Carús, há uma falta de conhecimento da população sobre o trabalho exercido pelo vereador, e que algumas pessoas preferem acreditar que a atividade dos vereadores se resume apenas à concessão de homenagens.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
davide 31/10/2017 10h48min
Você quer que a sua rua tenha um nome? Então é bom passar pelo gabinete do vereador, e pedir pra ele.nE isso não é clientelismo político? nHoje em porto alegre o processo administrativo não passa nem pelo protocolo; tem que pedir direto para o vereador. nO PL do Sgarbossa era simples e justo: responsabilizava a Prefeitura, não o gabinete do vereador. Mas lhe tirava um poder. Por isso que não foi aprovado. nGanharam de novo as práticas antigas e injustas, que, afinal, fizeram a cidade que vemos.