Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise no Planalto

Alterada em 26/10 às 12h50min

Deputado diz que placar menor se deve a 'solicitações não atendidas' pelo governo

Para Marun, o Planalto fez certo em não ceder à pressão de quem aumentou o valor da conta entre as denúncias

Para Marun, o Planalto fez certo em não ceder à pressão de quem aumentou o valor da conta entre as denúncias


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Folhapress
Um dia após comemorar cantando e dançando em plenário a vitória do presidente Michel Temer sobre a segunda denúncia, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) atribuiu o placar menor em relação à primeira denúncia a solicitações de deputados não atendidas pelo Palácio do Planalto.
Temer escapou da segunda denúncia com o apoio de 251 parlamentares, 12 votos a menos que na primeira denúncia. Para garantir a vitória, mesmo que modesta, o governo estabeleceu um balcão de negócios com distribuição de emendas e cargos.
Nesta quinta-feira (26), Marun reconheceu que nem todos os pedidos foram atendidos pelo governo. Questionado sobre a razão para o placar chocho, Marun disse que "talvez solicitações de atendimentos complementares que não foram atendidas".
Quando indagado sobre quais seriam essas solicitações, ele tentou se esquivar: "Você deve saber", respondeu. Perguntou-se, então, se seriam liberação de emendas e indicações para cargos em estatais. "Não é emenda que não foi liberada. Os compromissos que o governo fez, o governo cumpriu. Talvez tenha aparecido lá gente com pedido complementar e daí, com razão, o governo não quis atender", tentou explicar o parlamentar.
Procurando defender o governo, ele disse que o Planalto fez certo em não ceder à pressão de quem aumentou o valor da conta entre a primeira e a segunda denúncia.
"Se você tem uma base consolidada em 250 votos, os compromissos que o governo assumiu, ele cumpriu. Agora, pode ter gente que [tenha dito] 'não, aquela denúncia foi uma, agora é outra' e daí o governo agiu certo em não ceder a este tipo de pedido", afirmou.
O deputado já havia causado polêmica na quarta-feira (25) quando, ao deixar o plenário antes do fim da votação, dançou e cantou comemorando a vitória de Temer que, naquele momento, ainda não estava confirmada.
"Tudo está no seu lugar. Graças a Deus, graças a Deus", cantou o deputado diante de jornalistas.
"Surramos mais uma vez essa oposição, que não consegue nenhuma ganhar", disse o deputado batendo palmas.
Na manhã desta quinta (26), ele procurou justificar a performance."Eu, saindo do plenário, tenho que ficar segurando minha felicidade?", indagou repórteres durante uma entrevista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia