Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

Notícia da edição impressa de 26/10/2017. Alterada em 25/10 às 21h56min

Associação dos Juízes repudia ameaça de Cabral

 Juiz Marcelo Bretas

Juiz Marcelo Bretas


FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL/JC
A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) repudiou, em manifestação pública, ontem, "toda e qualquer tentativa de intimidação ou ameaça aos juízes federais no exercício das suas funções". A principal entidade da classe se referiu às declarações do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), em interrogatório perante o juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, juiz da Lava Jato no Rio, que o condenou a 58 anos de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e supostamente exercer a liderança de organização criminosa.
Na audiência, Cabral sugeriu ter conhecimento detalhado da vida pessoal do magistrado e de sua família. E acusou Bretas de buscar "projeção pessoal", submetendo-o a um "calvário". 
O interrogatório ocorreu na segunda-feira. O peemedebista disse que familiares de Bretas vendem bijuterias. Cabral estava sendo interrogado em ação penal na qual é acusado de lavar dinheiro de propinas por meio da compra de joias milionárias para ele e sua mulher, Adriana Ancelmo, na H. Stern.
Bretas disse que a declaração poderia até ser subentendida como ameaça. "É no mínimo suspeito e inusitado que o acusado, que não só responde a este processo como a outros, venha aqui trazer, em juízo, informações sobre a rotina da família do magistrado. Além de causar espécie, como bem observou o Ministério Público Federal, de que apesar de toda a rigidez ele tenha se privilegiado de informações que talvez ele não devesse", disse o juiz da Lava Jato no Rio.
Durante o interrogatório, o procurador Sérgio Pinel requereu a transferência de Sérgio Cabral para um presídio federal de segurança máxima. Bretas ordenou a remoção do ex-governador.
"A Ajufe ressalta mais uma vez que os juízes federais têm aplicado a lei e julgado imparcialmente os casos sob sua apreciação, inclusive aqueles envolvendo a Operação Lava Jato", afirmou a entidade, em nota subscrita pelo presidente da Ajufe, Roberto Carvalho Veloso. "Todos devem se submeter à lei, não se admitindo tratamento privilegiado em decorrência de poder econômico ou político, tendo os presídios federais se mostrado uma alternativa viável às indevidas interferências daqueles que estão presos, dentre outras razões, para não prejudicarem a investigação criminal."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia