Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Senado

24/10/2017 - 13h47min. Alterada em 24/10 às 13h47min

Órgão técnico do Senado recomenda arquivamento do caso de Aécio no Conselho

Argumento é de que não cabe novo pedido contra tucano pelos mesmos motivos na mesma legislatura

Argumento é de que não cabe novo pedido contra tucano pelos mesmos motivos na mesma legislatura


FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/ARQUIVO/JC
Folhapress
A representação feita pelo PT contra Aécio Neves (PSDB-MG) no Conselho de Ética do Senado deve ser arquivada. O presidente da comissão, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), recebeu nesta terça-feira (24) um parecer pela não procedência do processo.
Depois de ter arquivado um pedido contra Aécio, ainda no primeiro semestre deste ano, João Alberto decidiu consultar a advocacia-geral do Senado sobre a nova representação. O PT entrou com um pedido no Conselho no início do mês, logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter afastado Aécio do mandato.
Ele já foi alvo de outra representação, que acabou arquivada por decisão do colegiado do Conselho. A argumentação da área técnica do Senado é de que não cabe novo pedido contra o tucano pelos mesmos motivos e na mesma legislatura.
Aécio é acusado de corrupção passiva e obstrução da Justiça. Ele foi gravado em março pelo empresário e delator Joesley Batista, da JBS, a quem pediu R$ 2 milhões. Depois de passar 21 dias longe do Congresso e impedido de sair de casa à noite, ele reassumiu o mandato na semana passada, após o Senado reverter as medidas impostas pelo STF.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia