Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

Notícia da edição impressa de 24/10/2017. Alterada em 23/10 às 22h43min

Ministros 'apanham mais que jogador de futebol'

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, disse que há um desequilíbrio entre os poderes no Brasil, porque o Legislativo está fragilizado, enquanto o Judiciário, em sentido contrário, ganhou força.
Ele argumenta que a maior parte da população não se recorda dos congressistas nos quais votou. Mas que o STF está tão popular a ponto de seus ministros apanharem "mais que jogadores de futebol".
"O que se institucionalizou na Justiça se perdeu no Legislativo. Casos e casos de corrupção se acumularam (no Legislativo). Aí que surge a possibilidade de aparecer um salvador da pátria", afirmou durante palestra na Procuradoria-Geral do Estado do Rio de Janeiro.
Em sua fala, Moraes afirmou que um dos papéis do STF é "evitar a tirania da maioria". "Em um embate entre o Executivo e o Legislativo, já verificamos que sempre, no Brasil, isso resultou em golpe."
Ele ainda fez um apelo para que, na próxima eleição, de 2018, a população seja mais criteriosa na escolha dos congressistas. E criticou o STF por ter declarado inconstitucional, em 2006, a reforma política aprovada no Congresso. "O Supremo confundiu cláusula de barreira com cláusula de desempenho", acrescentou.
Moraes defende que haja um equilíbrio entre os Poderes no futuro. "O protagonismo (do STF) vai continuar até reequilibrar o papel do Poder Legislativo. Isso é o melhor para o País para evitar a guerrilha institucional que, de dois anos para cá, estamos acompanhando", afirmou.
Apesar de criticar o Legislativo, disse também que o fortalecimento das instituições nos últimos 30 anos fez com que não houvesse "necessidade de se pensar nas Forças Armadas como poder moderador", após o País passar pelo segundo impeachment, com a substituição da ex-presidente petista Dilma Rousseff pelo presidente Michel Temer, do qual foi ministro da Justiça.
No início da sua palestra, Moraes brincou com uma pessoa da palestra que o interrompeu com o celular. "Estou sendo grampeado? Essa é uma moda da República, ser grampeado", ironizou.
Envolvido em polêmica neste fim de semana, ao comentar, nas redes sociais, o fim da novela da Rede Globo que, em sua opinião, conferiu um ilusório glamour ao tráfico de drogas, ministro Alexandre de Moraes não quis falar com a imprensa ao fim do evento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia