Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

PT

Notícia da edição impressa de 24/10/2017. Alterada em 23/10 às 22h38min

Eleitorado se sentiu traído por Dilma, diz Lula a jornal espanhol

Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas à sucessora e falou da eleição de 2014

Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas à sucessora e falou da eleição de 2014


/SERGIO LIMA/AFP/JC
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, em entrevista ao jornal espanhol El Mundo, que o eleitorado se sentiu traído quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) promoveu o ajuste fiscal porque, nas eleições de 2014, ela tinha prometido manter as despesas.
Para ele, esse foi o segundo erro da presidente. O maior, afirmou, foi a política de desoneração às empresas. "Começamos a perder credibilidade. O ano de 2015 foi muito semelhante ao de 1999, quando FHC teve uma popularidade de 8% e o Brasil quebrou três vezes. Mas o presidente da Câmara era Michel Temer (PMDB) e ele o ajudou. Nós tivemos o Eduardo Cunha (PMDB)."
Na primeira versão da entrevista publicada neste domingo pelo El Mundo e reproduzida pela Folha de S.Paulo, o site do jornal afirmava que Lula disse que Dilma "traiu seu eleitorado" ao promover o ajuste fiscal. Nesta segunda-feira, no entanto, o jornal espanhol fez a correção na frase do ex-presidente.
Lula diz também na entrevista ter certeza de que, assim como ele, Dilma pensava que ele deveria ter concorrido em seu lugar nas eleições de 2014. Ao responder se estava arrependido por não ter disputado, Lula disse que não porque foi leal a Dilma. "Ela tinha direito de ser reeleita. Mas eu pensei nisso muitas vezes e eu sei que Dilma também. O que acontece é que eu não sou o tipo de pessoa que se arrepende."
Ao ser questionado sobre a hipótese de não concorrer, Lula disse que espera disputar a presidência, mas que "ninguém é imprescindível". "Existem milhares de Lulas."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia