Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 18h41.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 17/10 às 19h42min

Começa processo de votação sobre afastamento de Aécio Neves do Senado

A fase de discussão durou cerca de duas horas

A fase de discussão durou cerca de duas horas


Marcos Oliveira/Agência Senado/JC
O PMDB, maior partido do Senado, com 22 senadores, decidiu fechar questão e encaminhou voto favorável ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), nesta terça-feira (17). Outros partidos como PP, PR, PRB, PTC e PROS se manifestaram pelo voto "não", ou seja, contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e pela manutenção do mandato do tucano.
Apesar do receio de que a sessão acabasse ficando esvaziada, o quórum da votação está alto, com 70 dos 81 parlamentares presentes. De acordo com entendimento do presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o voto "sim" ou "não" precisará reunir pelo menos 41 votos. Caso contrário, será preciso realizar uma nova votação.
Em discurso, o presidente do PSDB, que representa a segunda maior bancada da Casa, Tasso Jereissati (CE), defendeu o direito de defesa de Aécio e também encaminhou voto contra as medidas cautelares.
Já as legendas PT, PSB, PODE, PDT, PSC e Rede se manifestaram contra Aécio e a favor da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastá-lo. O PSD e o DEM decidiram liberar a bancada para que cada um vote como considerar melhor.
A fase de discussão durou cerca de duas horas. Dez senadores falaram na tribuna - cinco contrários à decisão do STF e outros cinco favoráveis.
Falaram contra a decisão do STF os parlamentares Jader Barbalho (PMDB-PA), Telmário Mota (PTB-RR), Antonio Anastasia (PSDB-MG), Roberto Rocha (PSDB-MA) e Romero Jucá (PMDB-RR).
Álvaro Dias (PODE-PR), Ana Amélia (PP-RS), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (REDE-AP) e Reguffe (Sem partido-DF) foram favoráveis ao afastamento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia