Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 17h21.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 17/10 às 18h22min

De licença médica, Caiado avisa que vai ao Senado para votar no caso Aécio

A assessoria de imprensa do líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), informou que ele irá ao Senado para votar pela manutenção do afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A presença de Caiado não era esperada, pois ele está de licença médica por 15 dias após ter fraturado o úmero ao tentar domar uma mula em sua fazenda na cidade de Mara Rosa (GO), na semana passada.
Mesmo com atestado médico, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), também decidiu descumprir orientação médica para participar da votação desta terça-feira. Jucá, que é contra a decisão do STF, chegou ao Senado no meio tarde e participou de algumas conversas sobre o caso do tucano. Na semana passada, ele foi internado e submetido a uma cirurgia de diverticulite aguda.
Com a presença de Caiado e Jucá, o número de faltosos caiu para nove. O quórum é importante para definir o resultado, já que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), anunciou em plenário que, caso não haja pelo menos 41 votos a favor ou contra o afastamento do senador Aécio, a votação será "oportunamente repetida", possivelmente com um número mais elevado de participantes.
Pelo encaminhamento de Eunício, os votos "sim" serão pela manutenção do afastamento de Aécio, enquanto os votos "não" serão pela derrubada da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). "Tanto o voto 'sim', que mantém decisão do STF, quanto o voto 'não' necessitarão atingir 41 votos. Em qualquer outra hipótese menos de 41 votos, a votação terá de ser repetida", declarou Eunício ao abrir a ordem do dia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia