Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Notícia da edição impressa de 18/10/2017. Alterada em 17/10 às 23h41min

Alessandro Molon diz que Temer usa cargo para praticar crimes

Primeiro a discursar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) disse ontem que a população apoia cada vez mais a instauração de processo contra o presidente Michel Temer (PMDB).
Em um discurso forte, o deputado de oposição disse que a "quadrilha" do PMDB continuou praticando crimes e que o grupo usou cargos para roubar o Estado brasileiro. "Temer usa o cargo para praticar crimes", acusou.
Ao defender o prosseguimento da denúncia, Molon lembrou que as pesquisas evidenciam a impopularidade do presidente e a necessidade de investigação.
"(A autorização da denúncia) é a oportunidade de esta casa se reencontrar com o povo brasileiro", declarou. Ele rebateu a tese governista de que há tentativa de criminalização da política e de que, na Câmara, parlamentares usaram o mandato para vender legislação.
Em 15 minutos de discurso, o deputado fluminense acusou o presidente da República de ser o "chefe da organização criminosa". "Temer atuava no atacado", reforçou. Para o deputado, houve obstrução de Justiça ao haver pacto de silêncio com o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lúcio Funaro.
O deputado acusou o governo de usar cargos, emendas e agora uma medida para restringir a fiscalização do trabalho escravo para se manter no governo.
Molon também contestou a sessão-relâmpago aberta ontem de manhã no plenário da Câmara para contagem de prazo do pedido de vista ao relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG). Molon argumentou que as sessões só podem ser encerradas imediatamente em caso de morte de parlamentar no exercício do mandato ou falta de quórum.
O deputado da Rede disse que a sessão mostra a tentativa do governo em "atropelar" os trabalhos e dar fim o quanto antes à tramitação da denúncia. "Ela (sessão) foi fraudulentamente encerrada", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia