Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 15h11.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise no planalto

17/10/2017 - 14h43min. Alterada em 17/10 às 16h11min

Maluf defende Temer e protagoniza momento 'quente' na CCJ

Sessão da CCJ discute relatório favorável ao arquivamento da denúncia contra Temer

Sessão da CCJ discute relatório favorável ao arquivamento da denúncia contra Temer


Will Shutter/Câmara dos Deputados/Divulgação/JC
Folhapress
Uma semana depois de ter a condenação à prisão confirmada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, o deputado Paulo Maluf (PP-SP) disse nesta terça-feira (17) que as acusações contra Michel Temer são "falsas" e "vazias" e que a denúncia contra o peemedebista foi um ato de "terrorismo" contra a economia nacional.
Maluf discursou na sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara que discute o relatório do tucano Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), favorável ao arquivamento da denúncia contra Temer.
"O que Rodrigo Janot fez em termos de terrorismo com os investimentos nacionais e internacionais para o país não tem retorno. Terrorismo sem base legal", disse o deputado, em referência ao ex-procurador-geral da República, que assina a denúncia.
Ao defender Temer, dizendo que o peemedebista foi eleito por três vezes presidente da Câmara, "prova de que os companheiros reconheceram nele valores que o dignificam", o clima esquentou na sessão.
O oposicionista Ivan Valente cortou a fala de Maluf, afirmando que "Eduardo Cunha também foi eleito presidente da Câmara". Hoje deputado cassado, Cunha está preso em decorrência das investigações da Operação Lava Jato.
Maluf ficou em silêncio e foi defendido aos gritos pelo deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), que pediu respeito ao orador.
Ao retomar a palavra, Maluf usou um de seus bordões para dizer que não tem notícia de que Valente, professor engenheiro mecânico de formação, tenha feito alguma obra em São Paulo. "E ele não anda um quilômetro em São Paulo sem pisar em uma obra de Paulo Maluf."
Ex-prefeito e ex-governador de São Paulo, Maluf foi condenado a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão por crimes de lavagem de dinheiro envolvendo desvios de dinheiro em obras em São Paulo. Ainda cabe um recurso final.
Em linhas gerais, o deputado afirmou que Temer não pode ser condenado por pedir recursos a colegas de partido. "Quem aqui pode levantar a mão e dizer: 'Eu estou aqui sentando sem pedir recurso para ninguém'? [nesse momento Ivan Valente levantou a mão]. Todos pediram, eu pedi, Michel Temer pediu."
Com baixa presença de governistas, que querem encurtar a sessão, a CCJ iniciou na manhã desta terça o debate em torno da segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o Temer.
A comissão é o primeiro passo da tramitação da denúncia. O relatório de Bonifácio pode ser votado nesta quarta (18), com tendência de aprovação. A votação no plenário da Câmara, que é quem dá a palavra final, deve ocorrer na semana que vem.
Para que o Supremo Tribunal Federal seja autorizado a analisar a denúncia, é preciso o voto de pelo menos 342 dos 513 deputados. Na peça do Ministério Público, Temer é acusado de dois crimes: organização criminosa e obstrução da Justiça.
A primeira denúncia, relativa ao crime de corrupção passiva, foi barrada pela Câmara em agosto pelo placar de 263 a 227.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia