Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de outubro de 2017. Atualizado às 16h41.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise no planalto

15/10/2017 - 17h40min. Alterada em 15/10 às 17h43min

Delação de Funaro foi 'encomenda remunerada' de Janot, diz Moreira Franco

Moreira é alvo da denúncia que tramita na CCJ da Câmara por organização criminosa

Moreira é alvo da denúncia que tramita na CCJ da Câmara por organização criminosa


VALTER CAMPANATO/ABR /JC
Folhapress
Citado na delação do operador financeiro Lúcio Funaro, o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) foi às redes sociais neste domingo (15) para desqualificar tanto o depoimento como Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República.
Moreira é alvo da denúncia que tramita na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara por organização criminosa junto com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o presidente Michel Temer, apontado também como tendo praticado obstrução de Justiça.
O ministro diz que a delação de Funaro foi uma "encomenda remunerada" feita por Janot, que já havia denunciado Temer por corrupção passiva. A primeira denúncia baseou-se na delação de executivos do grupo J&F, como Joesley Batista.
"Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar @MichelTemer, após a derrota na 1ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha", tuitou Moreira.
"Flechada que muito antes foi anunciada pelo PGR. Como faltava-lhe bambu, ocorreria a encomenda remunerada da delação de Funaro", completou o ministro, que finalizou: "Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava. #Brasil #Justiça #Política."
As menções a bambu e flecha fazem alusão a uma fala de Janot. Segundo o ex-procurador-geral, "enquanto houver bambu, lá vai flecha".
As declarações de Funaro, divulgadas em vídeo pelo jornal Folha de S.Paulo na sexta-feira (13), implicam o grupo denominado "PMDB da Câmara", do qual faziam parte o presidente Michel Temer e os ex-deputados Henrique Eduardo Alves, Eliseu Padilha, Moreira Franco e Eduardo Cunha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia