Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 14 de outubro de 2017. Atualizado às 15h21.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Senado

14/10/2017 - 13h16min. Alterada em 14/10 às 15h24min

Decisão da Justiça do DF determina votação aberta no caso Aécio

Sessão decidir sobre o afastamento ou não e o recolhimento noturno do senador Aécio Neves

Sessão decidir sobre o afastamento ou não e o recolhimento noturno do senador Aécio Neves


LULA MARQUES/AGPT/FOTOS PÚBLICAS/JC
Agência Brasil
 Decisão liminar da Justiça Federal em Brasília proíbe o Senado de fazer votação secreta na sessão que vai decidir sobre o afastamento ou não e o recolhimento noturno do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A decisão do juiz federal Márcio Luiz Coelho de Freitas, tomada na noite de ontem (13), veio em resposta a uma ação popular que pede a votação nominal e aberta. A sessão do Senado para votação do caso está marcada para próxima terça-feira (17).
A ação popular proposta pelo presidente da União Nacional dos Juízes Federais (Unajuf), Eduardo Luiz Rocha Cubas, registra que "foi noticiada a possibilidade de que o Senado poderá esconder-se por trás do voto secreto" para decidir sobre o futuro de Aécio e cita a Constituição para embasar que "os políticos devem satisfação como os ministros do STF [Supremo Tribunal Federal] pela sua atuação".
Na decisão, o juiz Márcio Luiz Coelho de Freitas conclui que "a adoção de votação sigilosa configuraria ato lesivo à moralidade administrativa, razão pela qual defiro a liminar para determinar que o Senado Federal se abstenha de adotar sigilo nas votações referentes à apreciação das medidas cautelares aplicadas ao senador Aécio Neves".
No final de setembro, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 3 votos a 2, afastar o senador Aécio Neves do exercício de seu mandato, medida cautelar pedida pela Procuradoria-Geral da República no inquérito em que o tucano foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas da empresa J&F.  
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia