Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 23h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reforma política

Notícia da edição impressa de 10/10/2017. Alterada em 09/10 às 22h55min

Parlamentarismo poderá ser implantado em 2022, diz Serra

"Estou convencido de que o presidencialismo brasileiro precisa ser mudado. É ineficiente", afirmou o senador José Serra (PSDB) em debate em São Paulo, na manhã desta segunda-feira. O encontro, realizado no IDP (Instituto de Direito Público) de São Paulo, tratou da reforma política aprovada pelo Congresso na semana passada. Serra participou da segunda mesa. A primeira reuniu o ministro do STF Gilmar Mendes, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e o deputado federal Evandro Gussi (PV).
Em sua mesa, Serra fez um defesa enfática da adoção do parlamentarismo no Brasil. "Há várias propostas postas. O debate é muito importante para que se chegue a uma que seja mais eficiente do ponto de vista das mudanças que queremos para o Brasil."
Para o ex-governador de São Paulo, o fato de o País ter passado por dois processos de impeachment em 25 anos - os de Fernando Collor e Dilma Rousseff (PT) - é um indício de que o modelo de presidencialismo de coalização está esgotado.
"No parlamentarismo, mudar de governo é solução. No presidencialismo, é crise. No parlamentarismo, não haveria isso. Você tem um presidente da República, mas ele não entra na tarefa de governo no dia a dia. Essa tarefa é desempenhada por um primeiro-ministro, que forma uma maioria no Congresso", comentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia