Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 23h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

PGR

Notícia da edição impressa de 10/10/2017. Alterada em 09/10 às 22h56min

Força-tarefa diz a Dodge que Lava Jato já recuperou R$ 4 bilhões

Procuradores da força-tarefa de Curitiba informaram, ontem, à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que as investigações da Lava Jato já resultaram em mais de 160 condenações de políticos, empresários, servidores públicos e lobistas, entre outros, envolvidos em desvios de dinheiro da Petrobras. 
Os procuradores, entre eles o coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol, também informaram que as investigações garantiram a devolução de R$ 4 bilhões aos cofres públicos. Trata-se do maior volume de retorno aos cofres públicos de dinheiro desviado pela corrupção.
A Operação Lava Jato começou em abril de 2014, e não há prazo para ser concluída. Os procuradores informaram também que, só em Curitiba, já foram firmados mais de 150 acordos de delação.
Depois do encontro, Dallagnol e outros dois colegas, Paulo Roberto Galvão e Antônio Carlos Welter, teriam uma reunião com o coordenador do grupo de trabalho na Lava Jato em Brasília, José Alfredo de Paula, e outros investigadores, vinculados ao gabinete da procuradora-geral. 
Seria uma reunião "operacional", ou seja, os procuradores de Curitiba e Brasília iriam tratar de casos concretos da Lava Jato que dependem de decisões conjuntas. Desde o início da operação, acordos de delação mais abrangentes são negociados com a participação de procuradores do Paraná e do Distrito Federal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia