Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de outubro de 2017. Atualizado às 12h20.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Alterada em 05/10 às 12h23min

Autoridades brasileiras são recebidas por manifestantes em evento Londres

Manifestantes contrários ao governo de Michel Temer se posicionaram na noite desta quarta-feira (4) na frente de um hotel em um bairro nobre de Londres para protestar contra a escolha dos presidentes da Petrobras, Pedro Parente, e da Royal Dutch Shell, Ben van Beurden, como homenageados do ano pela Câmara Brasileira de Comércio no Reino Unido.
Nara Filippon, moradora de Londres há 21 anos, contou que as cerca de dez pessoas que se posicionaram com cartazes em frente ao local do evento e gritavam palavras de ordem que representavam vários grupos, como o Democracy for Brazil, Arts for Democracy, o comitê do PT na cidade, além de outros latino-americanos. "Shame on you! (você deveria se envergonhar!)", gritavam repetidamente os brasileiros em inglês a cada autoridade ou convidado que chegava ao local.
"Estamos indignados com o que acontece com o Brasil, com o golpe, e ficamos extremamente irritados com o fato de Pedro Parente e do CEO da Shell serem homenageados pela Câmara. Principalmente, pela questão da Petrobras. Estão liquidando a Petrobras e a Eletrobras, mas todos os recursos naturais são nossos", disse a manifestante.
Além de Parente, foram ao evento o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho; o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, e o embaixador brasileiro em Londres, Eduardo dos Santos, entre outros.
Ao final do evento, o grupo continuava posicionado em frente ao hotel, quando um dos convidados mandou que os manifestantes "fossem trabalhar". A sugestão gerou uma reação ainda maior do grupo, fazendo com que os manifestantes gritasse ainda mais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia