Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 23h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 04/10/2017. Alterada em 03/10 às 21h57min

Decisão judicial sobre nome de avenida chega ao Legislativo

Via de acesso à Capital pode voltar a ser denominada de Castelo Branco

Via de acesso à Capital pode voltar a ser denominada de Castelo Branco


JONATHAN HECKLER/ JONATHAN HECKLER/JC
Carlos Villela, especial para o JC
O Tribunal de Justiça (TJ) do Rio Grande do Sul notificou, nesta terça-feira, a Câmara Municipal sobre uma decisão judicial que anula o nome da Avenida da Legalidade e da Democracia. Agora, a presidência da Casa estuda quais medidas serão tomadas a respeito da decisão, que foi dada em 31 de agosto e é decorrente de uma ação movida pelos vereadores Mônica Leal (PP), João Carlos Nedel (PP) e Reginaldo Pujol (DEM), além dos ex-vereadores Guilherme Socias Villela (PP) e Mario Manfro (PTB).
A mudança de nome da avenida, originalmente chamada Castelo Branco, o primeiro presidente da ditadura militar, foi promulgada em 1 de outubro de 2014. A alteração partiu da bancada do PSOL como forma de celebrar o Movimento da Legalidade, capitaneado pelo então governador Leonel Brizola, em 1961, e retirar símbolos e homenagens a integrantes da ditadura militar. Depois de passar no Legislativo após discussão conturbada, o projeto foi promulgado pelo então presidente da Câmara, Mauro Pinheiro (ex-PT, hoje Rede), após o ex-prefeito José Fortunati (PDT) abrir mão de se posicionar sobre o projeto.
Mas Fortunati se posicionou em outro caso, ao sancionar, em 1 de setembro de 2015, a lei que batizou a obra de elevadas de acesso à Legalidade como Complexo Viário Telmo Thompson Flores, homenageando o ex-prefeito de Porto Alegre, que assumiu o cargo em 1969, indicado pelo regime militar.
A lei que nomeia o complexo viário é de autoria do vereador Nedel, que, além de proponente da reversão do nome da avenida, já se envolveu em controvérsias por suposto privilégio na hora de escolher nomes de logradouros na cidade.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia