Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 23h40.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reestruturação do Estado

Notícia da edição impressa de 04/10/2017. Alterada em 03/10 às 20h23min

PGE sugere nova proposta de demissão às fundações

Funcionários das instituições se reuniram em frente ao Tribunal Regional do Trabalho, em Porto Alegre

Funcionários das instituições se reuniram em frente ao Tribunal Regional do Trabalho, em Porto Alegre


/ROSÂNGELA CORREIA/DIVULGAÇÃO/JC
Bruna Suptitz
Em reunião de mediação entre o governo do Estado e os sindicatos que representam os servidores dos órgãos cuja extinção foi autorizada pela Assembleia Legislativa, realizada ontem no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), os representantes da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) apresentaram uma contraproposta do governo para a demissão dos servidores não estáveis.
A mediação atende a uma medida liminar buscada pelos sindicatos ainda no início do ano, que impede a efetivação da extinção dos órgãos sem antes o governo definir como serão dispensados os servidores lotados na Companhia de Artes Gráficas (Corag) e nas fundações Zoobotânica, Piratini (TVE e FM Cultura), de Ciência e Tecnologia (Cientec), de Economia e Estatística (FEE), para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH), e de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan).
A nova proposta do Estado para as fundações contempla servidores não estáveis e estáveis: quem se enquadra no primeiro grupo teria direito a uma indenização de um salário para cada cinco anos de serviços prestados; para o segundo grupo, um Plano de Demissões Voluntárias (PDV) seria oferecido com a mesma condição de indenização. Não há proposta proporcional para casos em que não se tenha completado os cinco anos trabalhados, como os aprovados no concurso de 2014.
Já para os trabalhadores da Corag, a proposta se mantém a mesma anteriormente apresentada pelo Executivo, justificada na legislação que aprova sua extinção: indenização aos servidores com o limite de 10% da receita operacional anual da companhia. O Estado não abre mão de demitir todos. A PGE apresentou ainda a proposta de doação do maquinário para os servidores da Corag, via sindicato, para constituição de uma cooperativa de trabalhadores. O prédio continuaria sendo do Estado.
Agora, os sindicatos levarão a proposta para assembleias de suas categorias e voltarão com uma definição ou uma nova proposta em reunião marcada para o dia 7 de novembro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia