Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de outubro de 2017. Atualizado às 22h55.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Reforma política

Notícia da edição impressa de 03/10/2017. Alterada em 02/10 às 22h52min

Presidente do Senado quer fim das coligações em 2018

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse ontem ser favorável ao fim das coligações nas eleições proporcionais já a partir do pleito de 2018, e não a partir de 2020. Ele afirmou que não vai se opor à eventual decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de antecipar o fim das coligações para o pleito próximo ano.
"Eu, sinceramente, sou favorável que se extingam as coligações já em 2018. Portanto há uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo. O Congresso votando para ser feito em 2020, e o Supremo alterar para 2018, sinceramente, não vou ficar triste com isso, não", afirmou o peemedebista.
Eunício se referia a Adin que o Supremo pode votar nesta semana, antecipando o fim das coligações para as eleições gerais de 2018. Hoje, pela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada pela Câmara e pelo Senado (e que ainda precisa passar por uma última análise dos senadores), as coligações só estarão proibidas a partir da eleição municipal de 2020.
Caso o Supremo julgue a Adin, lideranças de partidos médios e pequenos, considerados os mais prejudicados pelo fim das coligações, prometem reagir. "Seria uma afronta ao Legislativo! Já estamos numa crise institucional, e não acho que acirrariam ainda mais só por causa de coligações", afirmou a deputada Renata Abreu (SP), presidente nacional do Podemos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia