Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 29 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 30/10/2017. Alterada em 29/10 às 19h58min

Bendito pauteiro

Antônio Carlos Côrtes
Em linguagem jornalística, pauteiro, como a expressão dita, é aquele profissional da redação que determina ao repórter cobrir determinado fato. É a pauta. Para ser didático: está como a partitura está para o músico. Foi pensando nisto que li informação: Bendito contágio, em 10/10/2017, na página 3 do Jornal do Comércio - Começo de Conversa, editada por Fernando Albrecht. Referia o jornalista que o prefeito de Gramado, Fedoca Bertolucci (PDT), reduziu seus discursos de sete para três minutos. Afirmou Albrecht que este salutar ato bem que podia contaminar outros políticos. Bingo! Comercial de televisão tem apenas alguns segundos e vende produtos. A síntese é a qualidade que envolve em mel a quantidade. Como estamos próximos de eleições, essas questões têm tudo a ver. É possível, sim, aos políticos, seguirem a lição de Corax para discursos: exórdio, narração, argumentação, digressão e epílogo.
Nos anos 1980, lembro-me de história que ouvi em jantar, contada pelo então deputado Hugo Mardini, adepto do breve discurso: "Nos tempos dos gladiadores, em Roma, antes das contendas, promoviam espetáculos em que os cristãos eram jogados na arena para serem devorados pelos leões. Um dia, um cristão colocado ao centro aguardou, sentado, a entrada do leão. Este adentrou e foi cheirá-lo antes, mas ouviu breve recadinho ao pé do ouvido, proferido pelo cristão. Olhou firmemente para este, recuou erguendo a juba em direção à ruidosa plateia em volta, dando giro de 180 graus. Deu forte urro e abandonou o cristão. De inopino, se dirigiu para o buraco de onde havia saído, rabo entre as pernas. O povo em volta reagiu e começou a aplaudir pedindo clemência e vida ao cristão. O imperador Júlio Cesar, diante daquilo tudo, ouviu o clamor popular e concedeu a vida e a liberdade ao cristão. Mas, sempre tem um mas em tudo, perguntou ao cristão em quase segredo, também ao pé do ouvido deste, o que havia dito ao leão? Simples, disse o cristão: 'Apenas falei que depois do banquete haveria discurso'".
Escritor
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia