Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 25/10/2017. Alterada em 24/10 às 20h26min

União para vencer a crise

Juvir Costella
O Rio Grande do Sul deu um importante passo para virar a página da crise. A Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei nº 148/2017 que reduz o limite de servidores cedidos a sindicatos. Para se ter uma ideia, hoje, cerca de R$ 40 milhões saem dos cofres a cada ano para despesas com funcionários estaduais que atuam em entidades representativas e ficam fora da atividade pública.
Assim, a partir do ano que vem, o governo espera economizar 70% desse custo. A oposição, por sua vez, não reconhece esse esforço e segue fazendo um jogo perverso, rasteiro, do quanto pior melhor.
É fundamental deixar claro que o governo José Ivo Sartori (PMDB) nunca alegou que o problema das finanças do Rio Grande do Sul era de queda na receita, mas sim do descontrole histórico dos gastos. Apesar disso, sem dar a mínima importância aos estudantes, o Cpers/Sindicato mantém sua greve.
Os mesmos parlamentares que dão guarida aos discursos de greve, não apoiaram o projeto do Duodécimo, pensado como auxílio às finanças. Nem a proposta de ouvir a população em um plebiscito sobre as estatais deficitárias, cuja venda ou federalização visa aderir ao Regime de Recuperação Fiscal proposto pela União.
O Cpers evidencia assim sua servidão como braço ideológico, sem o mínimo de coerência com os milhares de alunos gaúchos. Do contrário, teriam gritado quando o então ministro que criou o Piso Nacional do Magistério tornou-se governador e ingressou na Justiça contra sua própria criação.
O governo está disposto ao diálogo e atende a categoria quando chamado ao debate. Mas o que se vê, infelizmente, são os interesses pessoais penalizando pais, alunos e os próprios professores. Quem perde? Todos nós.
Deputado estadual (PMDB)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia