Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Espanha

Notícia da edição impressa de 26/10/2017. Alterada em 25/10 às 20h35min

Premiê Mariano Rajoy espera que intervenção na Catalunha seja breve

Para primeiro-ministro, aplicar o artigo 155 é a 'única resposta possível'

Para primeiro-ministro, aplicar o artigo 155 é a 'única resposta possível'


EVARISTO SA/EVARISTO SA/AFP/JC
O plano do governo da Espanha de assumir o controle da Catalunha e interromper a campanha separatista da região é "excepcional" e não deverá durar muito, afirmou ontem o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy.
Em discurso no Parlamento, Rajoy disse que a aplicação do artigo 155 é a "única resposta possível" para restaurar a legalidade na Catalunha, que, no dia 1 de outubro, votou por sua independência em um plebiscito não autorizado por Madri.
O premiê disse esperar que as eventuais medidas - que incluem a destituição do presidente catalão, Carles Puigdemont, e a redução dos poderes do Parlamento local - sejam breves. Ele afirmou, ainda, que o último passo será a realização de eleições regionais, que deverão acontecer o quanto antes, assim que a lei e a ordem forem restauradas.
A expectativa é que o Senado espanhol aprove as medidas em uma reunião marcada para amanhã. Hoje, o Parlamento regional da Catalunha vai realizar uma sessão para discutir a ameaça sobre sua autonomia.
Representantes políticos na Catalunha afirmaram ontem que Puigdemont não planeja comparecer diante do Senado em Madri para defender seu impulso pela independência e para argumentar contra as ações do governo central para retirá-lo do poder.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia