Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Espanha

23/10/2017 - 08h28min. Alterada em 23/10 às 08h30min

Parlamento catalão fará reunião na quinta-feira para decidir como responder a Madri

O Parlamento regional da Catalunha vai realizar uma sessão na quinta-feira (26) para decidir como responder à decisão de Madri, no fim de semana, de invocar o artigo 155 da Constituição espanhola, que prevê a retirada da autonomia da comunidade catalã, afirmou hoje um parlamentar da coalizão separatista catalã.
Há temores de que a sessão ocorrerá para confirmar a declaração de independência da Catalunha em relação à Espanha. No começo do mês, a Catalunha votou por sua independência em um plebiscito não autorizado por Madri.
No último sábado, o presidente catalão, Carles Puigdemont, pediu ao Parlamento local para debater e votar sobre o plano do governo espanhol de assumir o controle da Catalunha, que fica no nordeste e é a mais rica da Espanha.
A fala de Puigdemont foi considerada uma ameaça velada de formalizar a ambígua declaração de independência da Catalunha. Recentemente, o líder catalão anunciou a independência do território, mas a cancelou em seguida, pedindo o início de conversações com Madri.
O governo da Espanha, porém, se recusou a dialogar sobre a independência e vem manobrando para derrubar os líderes catalães e convocar eleições antecipadas regionais nos próximos seis meses.
Também nesta segunda-feira, o partido regional pró-independência de extrema esquerda conhecido como CUP defendeu um gesto de "desobediência civil em massa", em resposta à atitude de Madri.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia