Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 07 de outubro de 2017. Atualizado às 13h36.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

07/10/2017 - 13h36min. Alterada em 07/10 às 13h38min

FBI desmantela planos de ataques em metrô, concertos e Times Square em Nova Iorque

Em 2016, cidade chegou a ter atentado em Manhattan deixando feridos

Em 2016, cidade chegou a ter atentado em Manhattan deixando feridos


STEPHANIE KEITH / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP/JC
Três homens simpatizantes ao grupo terrorista Estado Islâmico tentaram realizar ataques terroristas no ano passado em Nova Iorque, visando locais de concertos musicais, estações de metrô, além da própria Times Square, antes que os agentes dos EUA desmantelassem a operação, informaram autoridades do FBI.
Um dos homens, Abdulrahman El Bahnasawy, comprou materiais para fabricação de bombas, mas foi preso depois de viajar do Canadá para Nova Jersey em maio de 2016 para os ataques, disseram autoridades. Sua prisão ocorreu após uma investigação usando um agente disfarçado do FBI que se apresentou como um extremista islâmico.
Um cidadão dos EUA, Talha Haroon, de 19 anos, foi preso no Paquistão em 2016. Russell Salic, de 37 anos, foi preso nas Filipinas em abril passado. De acordo com denúncias criminais, El Bahnasawy enviou a imagem secreta da Times Square com uma mensagem de smartphone dizendo: "Nós precisamos de um carro bomba na Times Square. Olhe essa multidão de pessoas!"
Em outra mensagem, El Bahnasawy expressou o desejo de "atacar shows musicais para matar muitas pessoasl. Nós apenas entramos com armas em nossas mãos. É assim que
os grupos de Paris fizeram". El Bahnasawy, de 19 anos, se declarou culpado em outubro de 2016, mas o caso foi selado, enquanto a investigação continuava.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia