Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

31/10/2017 - 11h55min. Alterada em 31/10 às 11h55min

Servidores do Ibama no Pará são presos sob suspeita de acobertar desmates

Folhapress
A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (31), uma operação para coibir crimes ambientais cometidos no Pará e que eram acobertados por servidores do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).
Foram expedidos pela Justiça 15 mandados judiciais, sendo quatro de prisão, cinco de busca e apreensão e seis de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a se apresentar à polícia para prestar depoimento.
Os 60 agentes da PF também buscam cumprir na operação, batizada Concisor, ordens judiciais de afastamento de servidores do Ibama flagrados nos ilícitos. As investigações da PF apontaram que os funcionários da autarquia ambiental repassavam informações estratégicas para madeireiras e outras pessoas que estavam sendo fiscalizadas no Estado.
Em troca, os servidores exigiam vantagens indevidas ou até o pagamento de remessas em dinheiro, segundo a PF.
Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades paraenses de Marabá, Parauapebas, Breu Branco, Canaã dos Carajás e Eldorado dos Carajás.
Os suspeitos vão responder na Justiça pelos crimes de corrupção passiva, ativa e concussão (quando o agente público comete crime de extorsão). Se condenados, o grupo investigado pegar pena de prisão de até oito anos de reclusão, além de multa.
Concisor, palavra que batizou a operação no Pará, significa cortar o mal, exterminar e derrubar o crime.
O Ibama tem sido alvo de protestos e ataques criminosos no Pará e no Amazonas em razão de operações realizadas pelo órgão para desarticular a atuação ilegal de madeireiros e garimpeiros na Amazônia, especialmente em terras indígenas.
Ao longo da última semana, prédios e equipamentos do órgão foram queimados e grupos empresariais bloquearam rodovias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia