Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Desenvolvimento Social

Notícia da edição impressa de 26/10/2017. Alterada em 25/10 às 22h09min

Programa Prato para Todos beneficia mais de 50 mil famílias gaúchas

Programa passa a ser gerido pela pasta de Maria Helena Sartori

Programa passa a ser gerido pela pasta de Maria Helena Sartori


/KARINE VIANA/PALÁCIO PIRATINI/JC
Suzy Scarton
O Programa Prato para Todos, uma iniciativa do governo estadual que oferece alimentos e educação nutricional para cerca de 50 mil famílias de baixa renda por meio de 200 entidades de Porto Alegre, completou dois anos. Para celebrar o aniversário, o governador José Ivo Sartori assinou, em evento realizado na sede das Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa) ontem à tarde, um decreto que torna a ação um programa de Estado.
A Ceasa já fazia a suplementação alimentar para cerca de 50 mil famílias ao mês. De acordo com o presidente da Ceasa, Ernesto Teixeira, todos os tipos de hortifrutigranjeiros são repassados a essas famílias. No entanto, a Ceasa é uma empresa de economia mista (uma sociedade na qual há colaboração entre o Estado e particulares, ambos reunindo recursos com um fim específico), e a lei não permite que o governo federal, por meio de programas sociais, doe alimentos a sociedades com esse tipo de capital.
Agora que o Prato para Todos passa a ser um programa de Estado, sob coordenação da secretária de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Maria Helena Sartori, a Ceasa pode se cadastrar e receber alimentos como arroz, feijão, farinha, açúcar, entre outros. "É um grande avanço, porque significa, na prática, que o programa deixa de ser de complementação alimentar para ser de alimentação", explica Teixeira. O próximo passo, agora, é definir com o governo federal a quantidade e quais alimentos serão distribuídos.
O Prato para Todos foi idealizado pela Ceasa em conjunto com as secretarias estaduais de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos e do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, com parcerias do Sistema Fecomércio/Sesc e da Seven Boys. Voluntários da empresa coletam hortifrutigranjeiros entre excedentes do pavilhão de produtores e do setor atacadista. O que puder ser aproveitado compõe kits, que incluem pães doados pela Seven Boys.
Representantes de instituições que participam do programa comparecem, uma vez por semana, para buscar os alimentos doados. De acordo com a coordenadora da Associação Projeto Surfar, Gicele Melo, a diferença, agora, se dá na quantidade e nos tipos de alimentos que passarão a ser repassados. "Nesses 14 anos (de existência da associação), temos crianças e famílias que dependem de nós, e não é fácil quando tudo é voluntário", explica Gicele.
Maria Helena também anunciou que o governo vem trabalhando na assinatura de um decreto que permita a aquisição de produtos diretamente dos agricultores. Ela destacou que, além de distribuir os alimentos, o Prato para Todos se preocupa em ensinar receitas e maneiras de aproveitar os alimentos. A aula é ministrada por nutricionistas da Fecomércio/Sesc, que percorrem instituições e comunidades.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia