Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 26/10/2017. Alterada em 25/10 às 22h06min

Serviço do DEP rompe tubulação de gás na avenida Nilo Peçanha

Os moradores e frequentadores da avenida Nilo Peçanha, na zona Norte de Porto Alegre, levaram um susto na manhã de ontem. Um cheiro de gás se alastrou pelo ar, indicando vazamento. Logo, a origem do odor foi identificada - tratava-se do rompimento de uma tubulação de gás natural, causado por obra realizada pela empresa MG Terceirização, que estava a serviço do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP).
O DEP e a Defesa Civil acompanharam o caso. Em frente ao local do conserto, uma placa da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás) informava que a tubulação de gás passava por ali e, portanto, não era possível escavar na região.
A companhia alega não ter sido informada sobre a intervenção. No entanto, a orientação, conforme a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Surb), que responde pelo DEP, é que a Sulgás seja informada sobre obras, intervenções e consertos a serem realizados e que possam envolver o órgão. De acordo com a pasta, os responsáveis serão advertidos, e a terceirizada será notificada quanto ao rompimento da tubulação.
Segundo nota da Surb, ao iniciar o conserto de uma rede pluvial rompida na Nilo Peçanha, por volta das 9h30min, uma retroescavadeira atingiu uma rede de gás. A Sulgás foi acionada, fechou a válvula da tubulação e consertou a tubulação. Para isso, a faixa esquerda do logradouro foi bloqueada para trânsito. Às 12h, aproximadamente, o conserto foi finalizado, e a rede foi reaberta.
"Importante destacar que a rede de gás rompida não é de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP, gás de cozinha), e sim de gás natural, mais leve e menos prejudicial à saúde humana", destaca a secretaria no texto. Por ser menos prejudicial, não houve necessidade de isolamento maior do que sete metros quadrados em torno do rompimento.
O gás natural é um combustível fóssil encontrado na natureza, normalmente em reservatórios profundos no subsolo, e é distribuído através de canos. A Sulgás tem implantado o serviço em diversas regiões da Capital. Segundo a companhia, o gás natural é mais leve que o ar e, em casos de vazamento, se dissipa rapidamente, diminuindo os riscos em relação ao GLP.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia