Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

greve

25/10/2017 - 10h56min. Alterada em 25/10 às 11h32min

'Não há possibilidade de encerrar greve em cima de incertezas', alega Simpa

O prefeito foi alvo de protesto no ato dos servidores, que representavam Marchezan com um boneco

O prefeito foi alvo de protesto no ato dos servidores, que representavam Marchezan com um boneco


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Bruna Oliveira e Patrícia Comunello
Após decidir pela continuidade da greve, os municipários de Porto Alegre se mobilizaram para mais um protesto nesta quarta-feira (25). A categoria se concentrava desde o início da manhã em frente ao Hospital de Pronto Socorro (HPS), de onde partiu em caminhada até a sede da Prefeitura, no Centro Histórico.
No HPS, os funcionários do atendimento trabalham pintados de palhaço com adesivos de greve, e avisam aos pacientes que o atendimento está demorado. A manifestação, que lotou a calçada em frente ao hospital, estendia o protesto para a pista da avenida Venâncio Aires cada vez que a sinaleira fechava para os carros. 
O foco dos discursos dos dirigentes que falavam ao megafone durante o ato - mesmo em frente ao hospital - era de que a categoria vai continuar lutando pela retirada dos projetos proposto pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior. 
Na segunda-feira, em reunião entre o governo e a categoria, Marchezan adiou por 40 dias a votação dos três Projetos de Lei (PL) que mudam os regimes de carreira, reduzem gratificações e afetam o valor das remunerações dos municipários. A categoria, no entanto, entendeu que a proposta de negociação do prefeito não dá garantia sobre a retirada dos projetos. 
"O documento entregue pelo governo ontem é completamente diferente do que foi acordado na reunião de segunda-feira com Marchezan, e isso é inadmissível. Não há a mínima possibilidade de encerrar a greve em cima de incertezas", reafirmou o diretor-geral do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Jonas Reis.  
A categoria está em greve na Capital desde o dia 5 de outubro e exige a retirada dos PLs para encerrar a paralisação. Em nota, a assessoria de imprensa da prefeitura lamentou a decisão do sindicato de continuar a greve, afirmando que foi encaminhado um ofício reafirmando o compromisso do Executivo com as propostas firmadas na reunião de segunda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia