Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de outubro de 2017. Atualizado às 15h51.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Justiça

Alterada em 13/10 às 15h55min

Ao lado de Doria, prefeito de Milão diz que declarações de Cesare Battisti são 'tolas'

Ao receber prefeito de São Paulo, Beppe Sala (d) disse que o Brasil não deve 'proteger criminosos'

Ao receber prefeito de São Paulo, Beppe Sala (d) disse que o Brasil não deve 'proteger criminosos'


ASSESSORIA JOAO DORIA/DIVULGAÇÃO/JC
Em uma entrevista coletiva para a imprensa italiana ao lado do prefeito de São Paulo, João Doria, o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, disse na manhã dessa sexta-feira (13), que considerou "tolas" as declarações do italiano Cesare Battisti, de que a extradição equivaleria a uma pena de morte. As declarações do Battisti também repercutiram na imprensa italiana.
"Quando digo que a extradição tem que ser o mais rápido possível é porque as últimas declarações dele são tolas e me deixaram mais perplexo", disse Sala. Battisti, que foi condenado na Itália a prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas, aguarda no Brasil uma decisão do governo Michel Temer sobre sua situação.
Ao lado de Sala, Doria, que concedeu entrevista em italiano, cobrou a extradição do governo brasileiro. "O governo brasileiro não deve dar proteção a criminosos. Battisti deve cumprir pena na Itália", disse o prefeito. A defesa do o ex-ativista italiano Cesare Battisti afirmou que acredita que o presidente Michel Temer vai respeitar as normas e não extraditará o italiano.
A tendência do presidente é extraditá-lo e essa é a opinião dos conselheiros ouvidos por ele. Mas Temer quer aguardar um posicionamento da Secretaria de Assuntos Jurídicos da Casa Civil para anunciar sua posição final.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia