Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 01 de outubro de 2017. Atualizado às 22h21.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

clima

01/10/2017 - 19h16min. Alterada em 01/10 às 22h25min

Porto Alegre registra pior temporal desde tempestade de janeiro de 2016

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua


FREDY VIEIRA/JC
Atualizada às 22h.
Uma chuva forte atinge Porto Alegre no fim da tarde deste domingo (1º). Em seu perfil no Twitter, o Ceic - Metroclima aconselhava os moradores da Capital a não saírem de casa em razão do intenso vendaval. Logo na chegada do tempora, ventos eram de 95 km/h no Aeroporto Internacional Salgado Filho, mas as rajadas excediam 100 km/h em outros pontos da cidade
Conforme o Ceic, o temporal de hoje é o pior desde a tempestade severa que atingiu a Capital em 29 de janeiro do ano passado. As chuvas foram causadas pelo avanço de uma frente fria sob atmosfera de baixíssima e incomum pressão atmosférica.
A tempestade acabou pegando os porto-alegrenses desprevenidos. Um grupo de grafiteiros que fazia pintura em fachadas de prédios na avenida Julio de Castilhos, próximo à Rodoviária, levou um susto quando bateu a ventania. "Foi horrível! Estávamos terminando quando o vento bateu, quebraram alguns vídeos e voaram contâineres de lixo", narrou o grafiteiro Jotapê Pax, da Paxart.
Relatos também apontam que o concerto da Ospa, no Jardim Botânico, teve de ser interrompido com a chegada das tempestades. "As pessoas saíram correndo. Galhos voando, gente gritando... Cenário de filme!", conta o repórter do Jornal do Comércio Paulo Egidio.
A Unidade de Queimados do Hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre também enfrentou dificuldades, com muita água entrando e encharcando o chão do lugar.
Com o grande volume de água registrado, em poucos minutos avenidas como Farrapos, Voluntários da Pátria, Sertório, Osvaldo Aranha e Erico Verissimo já registravam alagamentos nesta noite.
Conforme o Centro Integrado de Operações da Segurança Pública (Ciosp), foi registrado granizo zona sul da Capital, e a força dos ventos arrastou contêineres de lixo. Relatos da reportagem do JC apontam falta de luz em áreas nos bairros Santana, Partenon, Bom Fim, Cidade Baixa e na zona sul. Ainda não há previsão de retorno da luz, e cerca de 150 mil pessoas estão sem energia em Porto Alegre e região metropolitana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia